Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

SAPO24 Crónicas

Todos os dias um olhar mais atento a um tema que marca a actualidade. Artigos, análises e crónicas exclusivas no SAPO24.

SAPO24 Crónicas

Todos os dias um olhar mais atento a um tema que marca a actualidade. Artigos, análises e crónicas exclusivas no SAPO24.

Nuvens sobre o clima

Por: Pedro Rolo Duarte

 

Estamos a atingir um ponto limite de desconfiança sobre a raça humana. Até o jornalismo perdeu a sua maior arma: a credibilidade. Ninguém acredita em ninguém, números e factos são sempre contraditados com perguntas e dúvidas, e o óbvio tornou-se duvidoso.

 

O debate aberto pela cimeira do clima é um bom exemplo. É verdade - porque se vê, não porque se diga… - que o degelo prova algumas teorias mais alarmistas. Cito uma notícia da SIC: “As imagens de helicóptero do maior dos glaciares do Monte Branco são raras e despertam para uma realidade dos nossos dias. Entre 2003 e 2012, o mar do gelo perdeu 4 a 5 metros”.

 

As imagens deste acelerado degelo não têm contraditório possível e não auguram nada de bom - mas, ao mesmo tempo, e enquanto isto acontece, há vozes aparentemente credíveis que levantam dúvidas e nos deixam a pulga atrás da orelha. Philippe Verdier, que nos últimos 20 anos deu a cara pelo departamento meteorológico da cadeia de TV France-2, foi despedido no momento em que decidiu escrever e publicar um livro (“Climat Investigation”), em que procurou o outro lado dos efeitos do aquecimento do planeta. No que respeita à França, Verdier contabilizou a poupança energética que o aumento da temperatura permitiu, bem como o aumento da produção de alguns cereais, a diminuição do numero de óbitos em consequência da gripe, e não teve medo de denunciar a sempre delicada ligação entre os investigadores e os “lobbies” económicos ligados ao negócio da ecologia e do ambiente.

 

Não é a primeira voz a alertar para este outro lado negro de uma situação que nos devia unir, e nunca dividir. Já houve cientistas que lembraram a impossibilidade de prever o futuro de uma natureza que, por si, é imprevisível - e tem demonstrado ao longo de milhões de anos que pode sempre mudar o curso dos acontecimentos quando menos se espera, seja num tsunami ou no acordar de um vulcão.

 

Numa pesquisa simples na Internet, podemos encontrar James Lovelock, 88 anos, um dos mais influentes cientistas do nosso tempo, afirmar peremptoriamente que a raça humana está condenada: até 2020 a seca será assunto do dia, “o Saara vai invadir a Europa, e Berlim será tão quente quanto Bagdad”. Ele prevê que, até 2100, a população do planeta encolha de 6,6 mil milhões de habitantes para cerca de 500 milhões. Mas ao lado, na mesma busca, encontramos o meteorologista brasileiro Luiz Carlos Molion, com mais de 40 anos de trabalho desenvolvido, assegurar que o aquecimento global não constitui qualquer drama para o planeta. E vai mais longe: “o problema é que quem não é a favor do aquecimento global sofre retaliações, têm seus projetos reprovados e seus artigos não são aceites para publicação. E eles (os governos) estão prejudicando a Nação, a sociedade, e não a minha pessoa”…

 

Há qualquer coisa perto da paranóia nesta sensação de insegurança, de chão a fugir-nos debaixo dos pés. Desconfiamos de tudo e de todos.

 

Em quem acreditar? Quem seguir? O que fazer? A intuição é suficiente?

 

Não tenho resposta para qualquer destas perguntas. Mas tenho uma certeza: nunca, como hoje, foi tão difícil acreditar no que nos dizem. E isso preocupa-me tanto ou mais do que o estado do ambiente na Terra.

 

 

COISAS QUE ME DEIXARAM A PENSAR ESTA SEMANA

 

Nem toda a gente pode viajar e ir até Washington (EUA) visitar o fabuloso Newseum, museu “vivo” que junta História dos media a um olhar sempre critico sobre a actualidade, as noticias, os jornais. Caso raro: o site é talvez ainda melhor que o próprio museu fisico! Por isso se aconselha a visita, o registo, e a militância…

 

Pode parecer um pouco cá de casa, mas confesso: sou um militante de trailers de filmes. Entusiasmam-me, obrigam-me a manter o bom hábito de ir ao cinema (mesmo que depois me desiluda e perceba que o melhor do filme estava concentrado em dois minutos de trailer…), e constituem muitas vezes “intervalo” no trabalho. A página do SAPO dedicada a esse “acepipe” de cinema é das melhores que conheço. Recomendo.

 

O nome de Janet Wolfe só me era familiar por causa da revista The New Yorker, onde era protagonista regular da famosa secção The Talk of the Town. Esta semana, soube que tinha morrido, aos 101 anos, na sua cidade de sempre. E procurando saber um pouco mais, descobri este obituário extraordinário no The New York Times. Vale a pena ler, mesmo sem saber quem foi. Há pessoas que valem pela memória que nos deixam. 

 

 

publicado às 11:15

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D