Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

SAPO24 Crónicas

Todos os dias um olhar mais atento a um tema que marca a actualidade. Artigos, análises e crónicas exclusivas no SAPO24.

SAPO24 Crónicas

Todos os dias um olhar mais atento a um tema que marca a actualidade. Artigos, análises e crónicas exclusivas no SAPO24.

Preso por ter cão… e por não ter

Por: Pedro Rolo Duarte

Esta semana, o The Daily Show, de Jon Stewart, venceu o Emmy for Outstanding Variety Talk Series. A colecção de Emmys ganha pela série “Guerra dos Tronos” foi muito mais falada do que este prémio - o que não espanta, claro -, mas vale a pena sublinhar este facto para o universo televisivo nacional, porque reflecte algo que nos parece sempre esquisito: um programa estar no ar tanto tempo…

 

O The Daily Show durou 16 anos. Se fosse em Portugal, era um fenómeno: 16 anos no ar, facto absolutamente normal por esse mundo fora (quando falamos de programas de sucesso, com estrutura sólida, estruturada, e audiência fixa), seria entre nós motivo de debate, critica reclamação. E penso nisto quando leio as críticas que têm sido feitas ao regresso de Ricardo Araújo Pereira - queira ou não usar-se o nome Gato Fedorento, ainda que amputado de um membro - no programa “Isto é tudo muito bonito, mas” (TVI, diariamente às 21:00). O que todos os que gostam daquele grupo de humoristas desejavam era que eles não defraudassem nem mudassem o seu registo - e foi isso que eles fizeram. Bem.

 

Pois é justamente esse o argumento crítico para dizer mal do programa. Que é de novo o mesmo registo. Que não inova. Que não mudou. Se porventura tivesse mudado, teríamos um coro de críticas a pedir o regresso dos “antigos” Gatos - como não mudou, temos a mesma critica virada do avesso. Presos por ter cão, presos por não ter.

 

Confesso: tenho cada vez menos paciência para esta atitude bem portuguesa de pedir mudança mesmo quando não é desejada. Uma espécie de inveja mal disfarçada que se vinga na crítica fácil.

 

Eu gosto do programa da TVI exactamente porque não defrauda o gosto que já tinha nos programas anteriores daquela equipa. Podem estar 16 ou 20 anos no ar - porque esse deveria ser, em televisão, o caminho de quem faz bem o que se propõe fazer.

 

Jon Stewart parecia que falava para Portugal quando recebeu o prémio: "A todos os que trabalham em televisão, só quero dizer-vos, agarrem-se o mais que puderem". Eu diria o mesmo ao Ricardo e à sua equipa: agarrem-se e não mudem. Os que vos querem diferentes são os que não vos querem no ar.

 

Coisas que me deixaram a pensar…

 

Por que raio a excelente revista espanhola Tapas, que tem vindo a inovar a abordagem dos media ao mundo da gastronomia e da restauração, e que aqui ao lado custa 4 euros, chega a Lisboa atrasada, a 10 euros, e em inglês…

 

Arturo Pérez-Reverte recebeu há poucos dias o Premio Colunista do El Mundo, numa cerimónia dedicada ao jornalismo espanhol. Para lá da cobertura do jornal, o discurso de Pérez-Revert, sublinhando que a imprensa livre é ainda o último dos medos dos poderosos, merece leitura atenta…

 

Para quem desconfia, ou evita, a ideia de “sociedade civil”, eis um bom exemplo que desfaz dúvidas: o Expresso conta como chegou à Sérvia uma generosa quantidade de bens, reunidos a partir de uma ideia modesta no Facebook. Aplausos.

publicado às 09:50

1 comentário

Comentar post

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D